Escrito por  2016-09-21

Coco ajuda a projetar edifícios antiterremoto

(0 votos)

Duro na queda

Engenheiros e cientistas dos materiais da Universidade de Freiburg, na Alemanha, juntaram-se para tentar explorar a estrutura natural do coco em benefício da arquitetura e da construção civil.

Coqueiros podem ter 30 metros de altura, o que significa que, quando os cocos maduros caem no chão, suas paredes têm de suportar o impacto para que eles não rachem.

Para proteger a semente lá dentro, o coco tem uma estrutura complexa formada por três camadas principais: a casca externa que lembra a estrutura do couro, um mesocarpo fibroso e um resistente endocarpo interno em torno da polpa que contém a plântula em desenvolvimento.

"Analisando o comportamento de fratura das amostras e combinando isso com o conhecimento sobre a anatomia da casca obtida por microscopia e tomografia computadorizada, estamos identificando as estruturas mecanicamente relevantes para absorção de energia," explicou Stefanie Schmier, membro da equipe.

Desvio das fraturas

Os dados revelaram que, dentro do endocarpo - que consiste principalmente de células altamente lignificadas - os vasos que compõem o sistema vascular do fruto têm um design diferente, parecido com uma escada, responsável por suportar as forças de flexão.

Cada célula é rodeada por diversos anéis lignificados, unidos por pontes paralelas - a lignina é uma molécula associada à celulose na parede celular para dar rigidez aos tecidos vegetais.

A equipe acredita que é o ângulo desses vasculares que ajuda a "desviar" a trajetória das fissuras - quanto mais tempo uma rachadura tem que viajar para dentro do endocarpo, mais provável é que ela vai parar antes de chegar ao outro lado.

Prédios antiterremoto

A equipe acredita que essa angulação especial dos feixes vasculares no endocarpo do coco pode ser aplicada ao arranjo de fibras têxteis no interior do concreto para permitir a deflexão de fendas e rachaduras, evitando o colapso da estrutura.

"Esta combinação de uma estrutura leve com uma elevada capacidade de dissipação de energia é de interesse crescente para proteger edifícios contra terremotos, quedas de rochas e outros perigos naturais ou provocados pelo homem", disse Stefanie.

socialshare

share on facebook share on linkedin share on pinterest share on youtube share on twitter share on tumblr share on soceity6

24591 comentários

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Entre em contato conosco

Vamos falar sobre seu projeto! Clique em Contato e preencha o formulário que entraremos em contato o mais breve possível.

Contato